Redes de museus X – Rede de museus de Lisboa

Como é costume, Lisboa costuma ser usada como laboratório administrativo. É em relação a reforma administrativa das freguesias, quando antecipando em alguns meses o que se passou no país. É-o em relações a certas varas criminais, onde aqui são testados tribunais específicos, antes de se alargar ao país (o caso, por exemplo da violência domestica e bulling nas escolas). Assim o é também na política museológica.

Na capital cruzam-se vários tipos de museus. Nacionais, Municipais, Privados, centros culturais, centros de interpretação, com diferentes tutelas e formas de regulação.

Na sua distribuição espacial, ganham relevância dois espaços. O eixo Ajuda Belém, alvo dum plano especial que já fez correr muita tinta, e o espaço museológico do Lumiar, constituído por dois museus nacionais e um parque urbano. Ambos tem percursos diferenciados. O primeiro, resulta da transformação urbana que é fortemente influenciado pela história e pela elegia da portugalidade, o segundo, marcado pelo gosto barroco da aristocracia. Em ambos os espaços, contudo, a Câmara de Lisboa, embora com uma palavra no âmbito do planeamento, não efetua uma gestão direta.

A gestão direta dos equipamentos museológicos camarários é feita em vários equipamentos, que recentemente passaram por uma reforma administrativa. Assim o museu de Lisboa, onde se contava a história da cidade passou por um processo de restruturação. O edifício do museu, um palácio do século XVIII (Palácio Pimenta) no Campo Grande, passou a ser a sede de um conjunto de equipamentos municipais (que incluem o Museu Bordalo Pinheiro, O Museu de Santo António, A Casa dos Bicos, o Teatro Romano, na rua de são Tomé e o Torreão Poente do Terreiro do Paço).

A alteração do nome é subtil, pois anteriormente era conhecido como Museu da Cidade, embora na linguagem comum toda a gente se referisse ao espaço como o Museu de Lisboa, pois era essa a cidade. No entanto a alteração não é apenas o nome. Pois agora o espaço assume-se como do território, integrando os “núcleos”. Note-se uma sede e núcleos, fazem uma estrutura polinucleada.

Mas a alteração mais profunda não será só essa. Pois para além destas reformas, na cidade de Lisboa, os vários equipamentos culturais, museológicos, teatros e galerias, passaram, em 2016, para a administração da EGEAC, uma empresa municipal que faz a gestão dos equipamentos e da animação cultural na cidade, incluindo as “Festas de Lisboa”, um mega evento que em 1991 passou a incluir todo o mês de junho, em toda a cidade. (curiosamente, esta empresa não tutela as bibliotecas de Lisboa, certamente porque estas não atraem turistas, ou os filhos dos turistas não são um “target”).

É certo que em muitos destes equipamentos a alteração foi benéfica. Foi possível reorganizar as receitas e o pessoal. Uma gestão por empresa municipal é diferente dos mecanismos das administração pública, sendo mais fácil operacionalizar. É evidente que uma gestão deste tipo tem vantagens e desvantagens.

Regressando á questão das redes de museus e dos seus núcleos, este será certamente um caso que valerá a pena analisar pois Lisboa vive num momento de forte densidade de turismo, com receitas que deverão ser bastante significativas e permitem sem dúvida alguma sustentabilidade nestes equipamentos. Todos conhecemos a excelência da programação cultural nos teatros municipais.

A questão que se coloca é saber se este modelo polinucleado de empresa municipal, ancorado no turismo e na gestão da economia cultural pode ser usado noutras zonas do país, sobretudo form do contexto urbano.

Analisar estes caso é o tipo de trabalhos que o Observatório das Atividade Culturais deveria fazer para assessorar o Ministro da Cultura e o conselho Nacional de Cultura. Por exemplo, ao olharmos para o mapa da EGEAC podemos verificar que todos estes equipamentos se encontram no Centro da cidade. Exatamente nos lugares onde os residentes de Lisboa estão a desaparecer. Onde está a função social do museu de Lisboa.

Certamente nos responderão com as freguesias, embora eu tenha algumas dúvidas.

Anúncios

Sobre Pedro Pereira Leite

Investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra onde desenvolve o projeto de investigação "Heranças Globais: a inclusão dos saberes das comunidades como instrumento de desenvolvimento integrado dos território".(2012-2107) . O projeto tem como objetivo observar a relevâncias no uso da memória social em quatro territórios ligados por processos sociais comuns. A investigação desenvolve-se em Portugal e Espanha, na zona da Fronteira; em Moçambique e no Brasil. (FCT:SHRH/BPD/76601/2011). É diretor de Casa Muss-amb-iki - espaço de Memórias. Intervém no âmbito de pesquisa de redes sociais de memoria.
Esse post foi publicado em Actualités / News, Lectures / Readings e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s