Cultura e dignidade Humana CXV – Negócios Criativos

Apresentamos dois modelos de negócio para empresas criativas: o modelo tradicional e o modelo Resolução de Problemas

No final deverá:

  • Identificar os processos de financiamento, as fontes e Mercado de financiamento da economia criativa
  • Distinguir entre os dois modelos de negócios de empresas criativas

O que é um negócio criativo?

O que é o negócio ou o empreendorismo. Quem o faz? Empreendedor ou negociante. Na economia criativa fala-se de empreendedores. Empreendedor criativo é alguém que cria produtos a partir da criatividade e da inovação. Mas não é só isso, pois há muitos outros lugares onde se produz criatividade, inovação. Universidades, escolas, laboratórios, etc. O que diferencia um criativo dum empreendedor criativo é que este produz algo a pensar nas necessidades de mercado, mas sobretudo é alguém que assume o risco do negócio.

Isso significa que para se ser um empreendedor, é necessário estar preparado para assumir riscos. Vai se necessário investir tempo e dinheiro para fazer um determinado tipo de trabalho, desenvolver esforços para fazer qualquer coisas, juntar vontades e fazer ações que ocupam espaço e etempo. Um empreendedor criativo também terá que aplicar a sua criatividade para fazer qualquer coisa de novo, qualquer coisa que possa ser vendido a alguém. Que seja útil e necessário.

O risco que está envovido nessa atividade resulta da imprevisibilidade do sucesso. O resultado da ação pode ser positivo, ou pode ser negativo. O risco pode ser ponderado, medido, mas não anulado. Quando a atividade resultaem sucesso, não haverá grandes problemas. O insucesso é que é a questão para a qual um empreendedor tem que estar preparado. Para se preparar para o risco é necessário assumir a consciência do modelo de negócio.

 

Anúncios

Sobre Pedro Pereira Leite

Investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra onde desenvolve o projeto de investigação "Heranças Globais: a inclusão dos saberes das comunidades como instrumento de desenvolvimento integrado dos território".(2012-2107) . O projeto tem como objetivo observar a relevâncias no uso da memória social em quatro territórios ligados por processos sociais comuns. A investigação desenvolve-se em Portugal e Espanha, na zona da Fronteira; em Moçambique e no Brasil. (FCT:SHRH/BPD/76601/2011). É diretor de Casa Muss-amb-iki - espaço de Memórias. Intervém no âmbito de pesquisa de redes sociais de memoria.
Esse post foi publicado em Actualités / News, Lectures / Readings e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s