Cultura e Dignidade Humana CX – Trabalho Criativo

Por outro lado, as Industrias Criativas são também um setor de trabalho intensivo. Um produto cultural tem que ser produzido no tempo. O tempo é um dos valores mais caros do produto. Por isso, muitos produtos culturais e artísticos, como incorporam o tempo, são normalmente produtos caros. Em princípio a arte é cara.

O tempo é muitas vezes o fator básico do produto que se oferece. Quando um evento cultural acontece, uma performance, isso é muitas vezes uma manifestação única e exclusiva duma herança cultural num dado território. Por exemplo, a estatuaria africana não pode ser produzida na Ásia, ou vice-versa. As indústrias criativas, por vezes trabalham com produtos únicos que transportam identidades dos territórios onde são feitos.

Por vezes falamos de “produtos experiencias”. Produtos que são consumidos no momento em que são produzidos. As artes performativas, as artes do espetáculo são exemplos desta transitoriedade de produtos que são consumidos por uma audiência, também ela única. Dái a importância do local.

E finalmente uma última característica dos produtos culturais é o seu ciclo de vida, que na maioria dos casos é muito curta. Pode varia desde o momento à época da moda, mas em regra são produtos que tem ciclos de vida muito curtos. São atividades onde não basta ter uma boa ideia e construir a partir dela um negócio. É um negócio em que é necessário estar sempre a produzir ideias. Por isso a criatividade é fundamental, pois é um negócio onde o potencial advém da sua novidade, e o novo é um ciclo muito curto.

 

Anúncios

Sobre Pedro Pereira Leite

Investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra onde desenvolve o projeto de investigação "Heranças Globais: a inclusão dos saberes das comunidades como instrumento de desenvolvimento integrado dos território".(2012-2107) . O projeto tem como objetivo observar a relevâncias no uso da memória social em quatro territórios ligados por processos sociais comuns. A investigação desenvolve-se em Portugal e Espanha, na zona da Fronteira; em Moçambique e no Brasil. (FCT:SHRH/BPD/76601/2011). É diretor de Casa Muss-amb-iki - espaço de Memórias. Intervém no âmbito de pesquisa de redes sociais de memoria.
Esse post foi publicado em Actualités / News, Lectures / Readings e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s