Cultura e dignidade Humana XXII

Do crescimento económico ao Desenvolvimento centrado nas pessoas

As teorias do crescimento económico, nos anos 60 e 70 acentuavam a questão do crescimento económico como forma de alcançar o desenvolvimento. O Crescimento era visto como uma sucessão de etapas que os diferentes países tinham que passar, para serem desenvolvidos. Nesse crescimento chave estava na modernização, na criação de industrias. O desenvolvimento era industrialização e urbanização.

O paradoxo é que o crescimento dependia da transformação das sociedades tradicionais. Implicava uma transformação social. A sociedade tradicional tinha que se transformar. O que faz, como faz. Era necessário mudar a forma como as pessoas pensavam, como faziam, como se vestiam, como viviam, onde viviam, o que comiam. A questão social estava implícita no crescimento, mas não era enunciada. O desenvolvimento transformou-se num produto.

As políticas de desenvolvimento, começam nos anos 90 a tornar explícito a questão social. Se o crescimento se destina a combater a fome e a miséria, o desenvolvimento deve ser destinado aos pobres. Como é que o crescimento pode ser feito para os pobres. O que aconteceu é que os pobres acabaram por ficar menos pobres, mas os ricos ficaram mais ricos.

As políticas devam ser feita a parti das necessidades do pobres. O Desenvolvimento participado é uma forma de procurar interrogar as pessoas sobre as suas necessidades.

 

Anúncios

Sobre Pedro Pereira Leite

Investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra onde desenvolve o projeto de investigação "Heranças Globais: a inclusão dos saberes das comunidades como instrumento de desenvolvimento integrado dos território".(2012-2107) . O projeto tem como objetivo observar a relevâncias no uso da memória social em quatro territórios ligados por processos sociais comuns. A investigação desenvolve-se em Portugal e Espanha, na zona da Fronteira; em Moçambique e no Brasil. (FCT:SHRH/BPD/76601/2011). É diretor de Casa Muss-amb-iki - espaço de Memórias. Intervém no âmbito de pesquisa de redes sociais de memoria.
Esse post foi publicado em Lectures / Readings e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s